Barcelona – O que impressiona em Barcelona são suas cores e formas. O clima mediterrâneo da cidade certamente inspirou Antoni Gaudí, o grande responsável por ter colocado suas obras de arte às ruas e, assim, tornando acessível aos olhos de todos os que as visitam. É vibrante, colorida e quente. Assim, Gaudí fez dessa cidade encantadora um dos destinos mais procurados na Europa. Ele colocou a natureza em paredes de concreto. Nada mais justo parece ser mesclar esses dois opostos. A genialidade do arquiteto transformou a capital da Catalunha, mas não agradou todos à época. Como todo gênio. Porém, deixou um legado para quem tem a sorte de visitar uma das cidades mais cosmopolitas que se formou ao redor das ruelas medievais de seu Bairro Gótico. Que delícia sentir o ar fresco de Barcelona. É agradável, encanta os olhos e sempre pede um retorno o quanto antes.

Amsterdã – Cidade de grandes histórias e descobertas, Amsterdã encanta pelos seus canais, tulipas, cultura e arquitetura. É pequena e gigante ao mesmo tempo. Não são necessários muitos dias para poder explorar o que a capital da Holanda tem de melhor. Geograficamente a cidade não é muito grande, mas são inúmeras as experiências a serem vividas numa cultura tão surpreendentemente incrível. Cidade de contrastes. O antigo nas paredes de cada construção e o futuro na tradição de um povo a frente do nosso tempo. Uma característica notável do destino é o modo de pensar mais liberal e livre de paradigmas. Todos nós no rendemos as propostas mais ousadas de Amsterdã juntamente com a sua efervescência cultural.

Bali – Espiritualidade é a palavra que define Bali. A ilha, que pertence à Indonésia, traduz a sua cultura já pelo nome que significa adoração aos seus Deuses Hindus. As oferendas aos Deuses estão incorporadas em uma tradição milenar que transformou a religião na característica mais marcante de um povo. O cheiro característico pela queima do arroz como oferenda é ofertado aos superiores e penetra no ar, fazendo parte dele. Seja na agitada Kuta, no litoral, ou em Ubud, no coração da ilha, ambos os destinos trazem templos maravilhosos e junto com eles, a alma de Bali. O islamismo também tem espaço e acrescenta ainda mais a essa miscigenação espiritual. Paz foi o que senti por lá. 

Nova Zelândia – Fica no extremo sul do hemisfério sul. Marcada por suas paisagens ecléticas, a Nova Zelândia é mais ou menos do tamanho da Grã-Bretanha e do Japão. Tem vulcões, tem praia, tem gelo. Existem duas ilhas principais: a ilha norte e a ilha sul. Na de cima, o destaque é para Auckland. Sendo a maior cidade da NZ, a paisagem urbana é mesclada com belezas naturais, alta gastronomia e uma vida noturna vibrante. Descendo mais um pouco, chegamos a ilha sul. O que dizer de Queenstown? É um dos principais destinos dos Kiwis (como os neozelandeses são chamados). Se você for, entenderá. Cidadezinha charmosa a beira do Lake Wakatipo de águas cristalinas cercado por montanhas. Caia de cabeça na aventura já que estamos falando da capital dos esportes radicais. Bungee Jumping e skydiving podem ser as opções. Não curte muito? Dá para relaxar em um dos chalés com a vista do gelo no alto das montanhas. E como esquecer de Milford Sound? São fiordes emergindo das águas escuras e ostentando belas cachoeiras. Fazemos fotos perfeitas em qualquer estação.  Tentei traduzir através delas esse cenário de tirar o fôlego. Que vontade de voltar.